"Como ser um unicórnio" chegou-me a casa cheio de brilho e de azul intenso, escrito por alguém que assina "SEA3PO".

(Afonso) Essa não é a namorada do Tiagovksy? Ah, não, espera... Essa é a Miss Mushrooms. A Sea3Po é a do cabelo azul.

Ok! Entrámos num universo alternativo e a mãe é cota demais para captar a cena. Ya?

(Mãe) Vocês conhecem a Sea3Po?

(Afonso) Não seguimos, mas ela é conhecida.

A mãe abre o livro. A Sea3Po tem a módica quantia de 475 mil subscritores no Youtube, com mais de 130 mil visualizações, em média, por dia. No Instagram, tem 231 mil seguidores, 13 mil no Facebook e 49 mil no Twitter. Ok, é conhecida. Mas porque é que escreveu um livro sobre unicórnios?

(Nonô) Uauuuuuu! Mãeeeeeeee! Um livro sobre unicórnios! Quero ler já!!!!!

Ok. A mãe já percebeu a cena. A Sea3Po é uma youtuber que percebe muito melhor do que eu do que é que as miúdas gostam... O livro, ainda por cima, é divertido, as ilustrações são cativantes e a história educativa, sobre bullying.

Sea3Po, daqui Sara78Rodi. Os meus parabéns!
#jáfostecotasara

Depois do puzzle em família (que vai andando, mas ainda não está terminado), o Dudu descobriu o livro de pontos que oferecemos ao Titão no Natal. Chama-se "Cidades Ponto a Ponto" e tem tantos, mas tantos pontos, que o Dudu é capaz de ficar uma boa hora a encontrá-los, enquanto desenha as mais famosas cidades do mundo.


Querem acalmar os vossos filhos sem i-Pads, televisão, e ainda ajudá-los com as centenas e os milhares (porque são mesmo milhares de pontos!)? Aqui está a solução...




Quando os filhotes cá de casa começam a pular sofás, a embrulharem-se em lutas que só muito raramente não terminam com alguém a chorar, a trocarem mimos com palavreado proibido cá em casa (a lista está no frigorífico!), só há uma solução(bem, há duas, mas a segunda deixa-me sem voz...):

(Mãe) Vamos passear a Cuca!

Hoje o céu até ameaçava chuva, mas conteve-se enquanto durou o nosso milagroso passeio. Não há dúvida de que a natureza faz milagres, e que melhor do que um sofá dos castigos, é uma corrida ao ar livre!

Dudu, o meu político favorito:

(Dudu) Mãe, não faz sentido que tu ganhes menos porque tens de tomar conta de nós...

(Mãe) A mãe ganha em função do que trabalha, filho. E a mãe escolheu não trabalhar tanto para poder ter mais tempo para vocês.

(Dudu) Mas tomar conta de nós também dá muito trabalho! E muita despesa. Tu tens quatro filhos, mãe! Deviam era pagar-te mais por isso...
E a 12 de janeiro, começou o Carnaval cá em casa...

O meu filho mais velho acaba de criar o Instagram do meu "Coisas de Pais". Depois de me explicar como é que a coisa funcionava (não percebi metade), sugere-me fazermos um "Booma".
- Um quê?!
- Um boomerang comigo e com o Sebastião.
- Vou lá agora fazer um boomerang... Isto é uma página séria, com sugestões para os pais fazerem com os filhos!
- Por isso mesmo! Vamos sugerir aos pais que façam boomerangs com os filhos. Os filhos vão adorar!

Pronto. O "Coisas de Pais" já tem "Insta". Não tem boomerangs (ainda!), mas acaba de ganhar um gestor de conta...

https://www.instagram.com/coisasdepais/
(Mãe) Não te deites muito tarde, filho... Amanhã vai-te custar ir às aulas de manhã.

(Titão) Não te preocupes. É Educação Física. Fico logo cheio de energia para o resto da manhã. (reflete) Eu não percebo porque é que não nos põem a fazer desporto todas as manhãs? Íamos muito mais bem dispostos e cheios de energia para as aulas...

Tão simples... e seria tão transformador!
Dudu de manhã, ao espelho, a pôr gel no seu cabelo curto.


(Mãe) Gel, Dudu?! Vai acontecer alguma coisa especial?


(Dudu) O S. da minha sala agora tem um brinco. Eu não gosto muito de ver rapazes com brincos. Mas também quero ir todo janota.


O brinco deve ter feito furor. Duvido que o gel faça o mesmo efeito... mas lá que ficou todo janota, isso ficou!
Os meus filhos mais velhos a imitarem os Anjos, com todas os gestos coreografados e as expressões faciais...

Temos "Diabinhos" :)
Interessaram-se primeiro pelo videoclip de "Thriller".
Quiseram ver depois os passos de dança que o Michael Jackson criou (e andam a treinar uns quantos).
Depois quiseram ver as transformações visuais que o Michael Jackson sofreu ao longo dos tempos. E porquê. E quem foi ele afinal. Como viveu e porque morreu.

(Nonô) Que triste, mãe! Ele era um bom coração, não era?

Mostrei-lhes "Black or White". E como o sonho dele era sermos todo uma só espécie, todos iguais naquilo que nos une.

(Dudu) Eu também queria o mundo fosse assim. Não consigo perceber como é que há guerras e atentados. O que é que nós podemos fazer, mãe?

Há tudo por fazer. Mas ganhar consciência do problema, num mundo com tantas "distrações", é já meio caminho andado para a mudança...

Obrigada, Michael Jackson, pelo trabalho intemporal que nos deixaste...


O Dudu já andava a reclamar um puzzle maior, e a Mamã resolveu trazer para casa um de mil peças, comprado a preço de saldo na Tops and Dolls (onde se compram vários jogos e brinquedos em segunda mão, como novos, a preços bem mais acessíveis. Para quem gosta de ir rodando brincadeiras e não repetir puzzles, esta é mesmo a solução ideal! E podemos sempre levar aqueles brinquedos em que mal tocámos e já não tencionamos tocar, para abater algum do investimento que fizemos).

Mas, para puzzle destas dimensões, só mesmo com um gigantesco trabalho de equipa...

(Mãe) Puzzle em família?


Já levamos duas noites disto, e ainda só temos pequenos quadros. Já todos nos zangámos uns com os outros, já voaram peças, empurrões, já soaram guinchos, uns quantos "estúpido" e "burro"... e percebemos que temos ainda um longo caminho pela frente, até conseguirmos trabalhar bem em equipa. Mas havemos de lá chegar!

Dudu e Nonô no banho:


(Nonô) Mãe... tu e o pai ainda fazem coiso e tal?

(Mãe) ??

(Dudu) Ou foi só quando nós nascemos?

(Mãe) Não, meninos. Um casal, quando se ama, é normal que tenha relações sexuais. Faz parte da vida de um ser humano adulto.

(Nonô) Mas fazem isso quando? De manhã, antes de acordarmos? À noite? Ou o pai vem cá durante o dia?

(Dudu) E fazem isso quantas vezes?

(Mãe) Meninos... como imaginam, a mãe não vos vai estar a falar da sua vida sexual. Isso é uma coisa privada. Um dia, quando vocês forem crescidos e tiverem os vossos relacionamentos, também não me vão estar a contar essas coisas. A não ser que precisem de conselhos.

(Nonô) E tu precisas de conselhos, mãe?

(Mãe) Não, filha! Não preciso! E muito menos vossos!



E rai'os parta esta geração que fala de tudo com tanto à-vontade...
(Dudu) Ó mãe... eu para onde me volto, só vejo o número 4. Sou o 4 no hóquei, na caderneta puseram-me em número 4, hoje fui escrever a data, era o número 4, olho para o relógio, e é sempre qualquer coisa com 4... Tu tens 4 filhos! Acho que estou obcecado com o número 4!

(Mãe) Isso às vezes também acontece à mãe. Há um autor muito conhecido que chamou esse fenómeno de sincronicidade ou coincidência significativa.

(Dudu) E isso quer dizer o quê?

(Mãe) Digamos que há pessoas que dão significados a essas coincidências. Por exemplo, no caso dos números, há quem atribua um significado a cada número. Porque o universo é matemático, e os números são energia.

(Dudu) E o número 4 o que é que quer dizer?

Pesquisa rápido no Santo Google...

(Mãe) Na numerologia, que estuda a energia dos números, o 4 é considerado um número perfeito. Há 4 pontos cardeais, 4 estações do ano, 4 elementos da natureza. Indica equilíbro e autodisciplina. Pode ser algo que tu estejas a precisar, Dudu...

(Dudu) Isso quer dizer que tenho trabalhar mais, não é? E estar mais concentrado... Eu tive Muito Bom no comportamento a Inglês. Acho que já está a dar resultados...

Não sei como é que a conversa descambou para aqui - e ainda me pergunto, às vezes, porque é que os meus filhos dizem coisas estranhas... Pois se a mãe, em vez de lhe dizer que esqueça o número 4, acaba a falar-se nas teorias do Jung! - mas a verdade é que o Dudu se foi deitar com a missão do número 4 em punho. E que o equilíbrio e a autodisciplina, que tanto lhe faltam, estejam com ele!
Pediatra a conferir pesos dos dois manos gémeos.


(Pediatra) Pois é... a Leonor tem mais 1,5kg do que tu, Duarte.

(Dudu) Eu sei. Eu estou muito magrinho. Às vezes eu vejo-me ao espelho e pareço um refugiado...

(Pediatra) Andas a comer pouco, pá!

(Dudu) "Pá"?! Ouviste, mãe? Os médicos também dizem "pá"... (para a pediatra) É que a minha mãe diz que eu não posso andar a dizer "pá", que a "pá" é da vassoura...


Diagnóstico: Um saudável fala-barato!